22 de jun de 2011

A história não contada da “rua mais antiga de Santa Cruz”

Um trabalho de levantamento histórico muito interessante é o realizado por Armindo L. Müller, pesquisador diletante e pastor luterano. Em seu Dicionário Histórico e geográfico da região de Santa Cruz do Sul (Edunisc, 1999), traz muitas informações que, por sua vez, poderiam ser desdobradas em muitos outros trabalhos de historiografia e análise social local e regional. É deste pequeno livro, publicado pela Editora da Unisc em 1999, que retirei alguns dados para tecer o seguinte comentário:

A chamada via mais antiga de Santa Cruz do Sul, hoje Rua José Germano Frantz, foi obra empreendida por Delfino dos Santos Moraes, capataz do fazendeiro e tenente-coronel Abel Corrêa da Câmara – nome de onde se deriva a designação original “Picada do Abel”, mais tarde Picada Velha e, finalmente, Linha Santa Cruz. Nos trabalhos de abertura e demarcação, agregados, contratados e escravos sob comando de Delfino devem ter sido mobilizados, sendo todo trabalho às expensas dos cofres públicos da então Província do Rio Grande de São Pedro (e dizem que foi uma bolada grande). A empreitada começou a ser definida em 1847, mas só terminada no final de 1849, quando os primeiros colonos estavam sendo assentados nos lotes, incluindo ali o homenageado, Sr. Frantz. Mais anteriormente ainda, a via foi uma trilha indígena, ligando a região serrana do Vale do Rio Pardo e banda acima (Soledade, Cruz Alta etc.), passando pelo Faxinal do João Faria (onde surgiu a cidade de Santa Cruz), até Rio Pardo (Rio Jacuí), por onde circulavam indígenas da região, incluindo ervateiros guaranis assentados – já no século 18 – na Aldeia São Nicolau, nos arredores da cidade de Rio Pardo.


Já os lotes, foram demarcados pelo engenheiro Frederico Augusto de Vasconcelos Pereira Cabral, nome que não deixa dúvida da sua origem lusitana. Subcontratou os serviços de Guilherme Werlang e Francisco Dilemburg, teuto-desecndentes residindo no Brasil. Mais uma vez, os recursos para os trabalhos são governamentais e, muito provavelmente, usando-se mão de obra escrava para os “serviços mais pesados” (ao brancos, só cabia o mando).

Temos aí, numa via municipal, uma multiplicidade de relações sociais e históricas, envolvendo protagonistas de várias etnias e origens nacionais – comumente, muitos deles, invisibilizados injusta e erradamente, porque empobrecem a história santa-cruzense diversa e complexa.


*A rigor, aliás, a “via mais antiga de Santa Cruz” não é aquela cujo trecho se chama hoje Rua Germano Frantz. Vias que ligavam internamente as instalações (sobrado do dono, casas dos agregados, senzala, estrebarias, pastos, lavouras, olaria, armazéns etc.) do povoado do Faxinal do João Faria e, deste, a Rio Pardo, então sede da região, e a outras localidades próximas – arraiales, fazendas, rancharias avulsas e armazéns existentes em caminhos –, já instaladas antes da introdução de colonos germânicos em 1849; são vias mais antigas e usadas muito antes de qualquer início de assentamentos de colonos da Prússia, Silésia, Boêmia e outras localidades europeias do norte (lembrando que a Alemanha, propriamente, ainda não existia como estado-nação antes de 1871).


**O trecho ainda não calçado da Germano Frantz – apenas um ou dois quilômetros paralelos a Av. Orlando Oscar Baumhardt, mantendo a ligação da esquina do “Mercado Recanto” (ou a entrada ao Seminário São João Batista) até próximo ao “Mercado da Lili” (ou a velha fábrica de sapatos coloniais) –, mesmo com os loteamentos que dela se bifurcam, guarda uma espécie de encanto colonial em sua sinuosidade, aclives e declives, pedregulhos, passagens por arroios, charcos, matos, vistas de casas antigas, nesgas de lavouras e campos onde pastam bois e cavalos. Seria muito interessante que a pavimentação e o uso do entorno preservasse essas características autenticamente coloniais. Ao invés de asfalto, quem sabe um calçamento com pedras ou bloquetes na cor do solo avermelhado? Uma lei poderia regulamentar as construções e terraplenagens neste trecho, além de se tombarem casas e outras instalações, num programa de incentivo (subsídios concretos) aos proprietários, ou desapropriações. Neste trecho, há áreas onde se poderia instalar-se um parque público para o lazer da população local e preservação ambiental.

***A denominação Linha Santa Cruz – e do próprio município de Santa Cruz – alude à Fazenda ou Estância de Santa Cruz, localizada na região serrana do Vale do Rio Pardo (ou Centro-Serra), hoje parte do município de Lagoão (conforme Müller). A chamada Picada do Abel, finda sua abertura em 1849, com o incremento do movimento entre a serra, as comunidade de imigrantes, o Faxinal do João Faria e a sede regional, a cidade de Rio Pardo, passa, mais tarde, a ser conhecida como Linha Santa Cruz, por ser via de acesso à Fazenda de Santa Cruz – numa época em que as fazendas eram os núcleo populacionais mais densos e economicamente mais importantes, por conta da liderança social e política de seus donos (o proprietário da Fazenda da Santa Cruz era parente do presidente da Província...) e local de troca, compra e venda de mercadorias. Especula-se que, por suas vez, o nome “Fazenda de Santa Cruz” viria de uma antiga e grande cruz (“curuzu”), posta por indígenas missioneiros no alto de um pinheiro, a fim de indicarem a sua fé e servir de guia em suas andanças em tempos do domínio jesuítico na região do Vale do Rio Pardo – em torno de 1630, ou seja, cerca de 220 anos antes da introdução de imigrantes germânicos na região e 120 anos antes da instalação de súditos portugueses e trabalhadores negros escravizados no Vale do Rio Pardo.

9 de jun de 2011

Um fantasma racista assombra concursos de beleza


Na minha opinião, concursos de beleza focados em um perfil étnico-racial são extremamente problemáticos. Retirando-se outras questões, como a da “mulher objeto” e a ditadura do padrão estético (magra, alta, jovem etc.), há o componente da discriminação fenotípica – um caminho ao racismo. Se o concurso é “Beleza Negra”, não entram brancas; se é “A Mais Bela ítalo-descendente”, retira-se as demais moças de outras nacionalidades.

No caso do “Miss Germany no Brasil”, pelo que li na imprensa local, o pré-requisito básico é que as concorrentes sejam descendentes alemãs até a terceira geração. Todas muito jovens (de 15 a 25 anos), com os cabelos loiros e pele claríssima, encarnam o estereótipo da “legítima moça alemã” – desconsiderando, aliás, que, na própria Alemanha, o perfil populacional tem um fenótipo muito mais diversificado, com a incorporação de inúmeras origens étnicas, configurando múltiplas cores de pele, tipos de cabelo, cor de olhos, formas de narizes, bocas etc.

O que mais me preocupa – até porque isso ignorado, nem passa pela cabeça dos promotores de tais concursos – é a ideia de “pureza racial” que está na base desses eventos; exige-se a exclusividade (só brancas, só negras, só “germânicas”, só “italianas”), ou seja, a “não-mistura racial”, quando vivemos num mundo cada vez mais a miscigenado e aberto a diversidade. Pode acontecer que, os pais que mantém características associadas a descendências (“alemães”, “italianos”, “africanos”...) e querem que suas filhas um dia concorram em tais certames, terão de buscar seus pares sexuais-reprodutivos entre símiles étnico-raciais. Caso contrário, caso a criança absorva certas cargas genéticas, ficará “imprestável” para concursos etnicamente fechados...

Acho que se deve entender ou relativizar certos casos, como, por exemplo, a escolha da “Mais Bela Negra” de Santa Cruz. O evento foi criado como alternativa a concursos onde as moças negras sequer cogitam em se inscrever, caso da “eleição das soberanas” da Oktoberfest local – a festa onde a “beleza máxima” santa-cruzense é representada por moças brancas. Há, assim, no “Mais Bela Negra”, uma compensação, buscando valorizar também a beleza de mulheres negras, ordinariamente, como já disse, impedidas – implícita ou explicitamente – de participar do certame (estético feminino) por seu explícito “corte étnico”.