9 de jun de 2011

Um fantasma racista assombra concursos de beleza


Na minha opinião, concursos de beleza focados em um perfil étnico-racial são extremamente problemáticos. Retirando-se outras questões, como a da “mulher objeto” e a ditadura do padrão estético (magra, alta, jovem etc.), há o componente da discriminação fenotípica – um caminho ao racismo. Se o concurso é “Beleza Negra”, não entram brancas; se é “A Mais Bela ítalo-descendente”, retira-se as demais moças de outras nacionalidades.

No caso do “Miss Germany no Brasil”, pelo que li na imprensa local, o pré-requisito básico é que as concorrentes sejam descendentes alemãs até a terceira geração. Todas muito jovens (de 15 a 25 anos), com os cabelos loiros e pele claríssima, encarnam o estereótipo da “legítima moça alemã” – desconsiderando, aliás, que, na própria Alemanha, o perfil populacional tem um fenótipo muito mais diversificado, com a incorporação de inúmeras origens étnicas, configurando múltiplas cores de pele, tipos de cabelo, cor de olhos, formas de narizes, bocas etc.

O que mais me preocupa – até porque isso ignorado, nem passa pela cabeça dos promotores de tais concursos – é a ideia de “pureza racial” que está na base desses eventos; exige-se a exclusividade (só brancas, só negras, só “germânicas”, só “italianas”), ou seja, a “não-mistura racial”, quando vivemos num mundo cada vez mais a miscigenado e aberto a diversidade. Pode acontecer que, os pais que mantém características associadas a descendências (“alemães”, “italianos”, “africanos”...) e querem que suas filhas um dia concorram em tais certames, terão de buscar seus pares sexuais-reprodutivos entre símiles étnico-raciais. Caso contrário, caso a criança absorva certas cargas genéticas, ficará “imprestável” para concursos etnicamente fechados...

Acho que se deve entender ou relativizar certos casos, como, por exemplo, a escolha da “Mais Bela Negra” de Santa Cruz. O evento foi criado como alternativa a concursos onde as moças negras sequer cogitam em se inscrever, caso da “eleição das soberanas” da Oktoberfest local – a festa onde a “beleza máxima” santa-cruzense é representada por moças brancas. Há, assim, no “Mais Bela Negra”, uma compensação, buscando valorizar também a beleza de mulheres negras, ordinariamente, como já disse, impedidas – implícita ou explicitamente – de participar do certame (estético feminino) por seu explícito “corte étnico”.

2 comentários:

Águido disse...

concordo com muito do que vc falou e digo que sim, realmente tem que se dar atenção especial no caso de beleza negra, por questões bem conhecidas de todos, que são as dificuldades que o povo negro tem ,até hoje, de competir,tanto em concursos de beleza quanto em outras áreas, com pessoas de pele mais clara. Pra quem não sente na pele pode não parecer mas ainda não tem aquela igualdade que tanto se fala. Por isso vejo a importancia de um concurso de beleza voltado à raça negra.
Abraço!!

Águido disse...

concordo com muito do que vc falou e digo que sim, realmente tem que se dar atenção especial no caso de beleza negra, por questões bem conhecidas de todos, que são as dificuldades que o povo negro tem ,até hoje, de competir,tanto em concursos de beleza quanto em outras áreas, com pessoas de pele mais clara. Pra quem não sente na pele pode não parecer mas ainda não tem aquela igualdade que tanto se fala.
Abraço!!