16 de jul de 2013

Pets: brevíssimo comentário

“Ter” um “pet” é uma outra forma de submeter os animais. Além da gente comê-los, usá-los para puxar carroça, tornam-se muletas afetivas, forçando-se uma “humanização”, ao ponto de a gente vesti-los e colocar-lhes adereços...

Não que eu não goste de animais e ache que não devemos conviver com esses nossos irmãos biológicos. Ao contrário. Desde que haja liberdade para o animal – que ele não precise viver preso num cercado, num apartamento, numa coleira, submetendo-se à castração etc., está tudo indo bem. Mas num espaço urbano cada vez mais populoso, isso é impossível, principalmente no caso de cães (e é por isso que prefiro os gatos mais “vira-latas”, que ainda podem dar suas “voltas” na vizinhança e levar suas vidas mais naturalmente).

Outra coisa: tem gente que se diz protetor dos animais, mas continua frequentando churrascarias e comprando rações, o que, necessariamente, implica na matança de animais... Ou animais são apenas os gatos e cachorros?

Nenhum comentário: